Psicanálise e Medicina

Coordenação: Adriano Aguiar e Rodrigo Lyra

Periodicidade e horário: Primeiras e terceira terças-feiras do mês, às 20h30

Início: 06 de março

Desde o surgimento do Prozac nos anos 1990, vendeu-se a ideia de que a psicanálise iria acabar em breve. Os antidepressivos inibidores seletivos da recaptura da serotonina (ISRS) foram um marco decisivo na expansão da psiquiatria biológica para o campo dos sintomas ditos “neuróticos” – que até então enquadravam a maior parte das demandas feitas à psicanálise. Antes quase restrita à “loucura” e aos “manicômios”, a psiquiatria passou a abranger um campo bem mais vasto, que hoje já se alastra para o aprimoramento das performances cotidianas dos indivíduos, mesmo fora do enquadre de algum diagnóstico stricto sensu.

Ao mesmo tempo, a década de 1990 marca o início da implantação da Reforma Psiquiátrica no Brasil que, inspirada em Foucault e Basaglia, trazia um discurso político crítico ao saber psiquiátrico tradicional, propondo novas instituições de cuidado em saúde mental, com o lema da “Luta Antimanicomial”.

Em 2018, quase 30 anos depois, este panorama pede novas reflexões: a psiquiatria biológica não foi inteiramente capaz de explicar a etiologia dos principais transtornos mentais e as críticas às fronteiras imprecisas dos diagnósticos psiquiátricos e à medicalização da existência passaram a vir de dentro da própria psiquiatria. Por outro lado, as bases da Reforma Psiquiátrica se veem ameaçadas pelo crescimento das Comunidades Terapêuticas, que se expandem com a influência cada vez maior das Igrejas Evangélicas na política do Brasil.

E a psicanálise? Longe de desaparecer, esta não só continua a receber neuróticos, como ampliou a clínica com psicóticos e autistas nas instituições de saúde mental e consultórios. Além disso, se vê cada vez mais convocada a intervir na política e a se virar com as transformações das demandas que decorrem da subjetividade da época.

Nossa pesquisa deste ano refletirá este pano de fundo e se apoiará diretamente nas práticas dos participantes do Núcleo. Elas nos permitirão interrogar a incidência do discurso da psicanálise na experiência dos psiquiatras e psicólogos  que, dentro ou fora dos consultórios, tomam contato com as profundas novidades de nosso tempo sobre os sujeitos, seu modo de sofrer e de buscar tratamento.

 

Anúncios